Explica-me uma coisa: se éramos assim tão chegados e se eu era o teu abrigo, porque deixas cabeças alheias se meterem nisto? Será que éramos mesmo amigos? Será que éramos assim tão chegados como eu pensava? Pois, também não sabes, não é? És um bocado minucioso, eu sei, e eu adorava isso; adorava a tua mesquinhice e esse teu jeitinho tão teu… Adorava. No entanto, oh, deixaste-me assim, sem saber o que realmente nós fomos á um ano atrás. Preciso de pensar, de idealizar qualquer coisinha para te dizer; preciso de tentar entrar na tua cabeça e perceber o que se passa, porque estás a agir assim. Talvez o meu conceito de amizade esteja errado, mas aprendi que quando se é, de verdade, não há nada que o destrua. Seja o que for. Tens o teu tempo e como te disse talvez eu também precise do meu. Vai tudo ficar bem, e mais: não desistas de mim. 

5 comentários:

anica margarida disse...

ain, é imprecionante como pensamos da mesma maneira, relativamente a certos assuntos e ambas estarmos a viver a mesma fase... também estou assim precisamente à um ano, sem saber realmente o que aconteceu. força, e não desistas daquilo que realmente queres. beijinho :)

anica margarida disse...

aconteceu precisamente o mesmo comigo... muito obrigada princesa, estarei aqui também, para qualquer coisa!

b'filipe disse...

nada vai acabar oh pipinhe

ana neves disse...

como te entendo, tenho um texto tão parecido com este !

Gabriela ♥ disse...

Adorei o texto *-*