Ver-te ali, assim, literalmente colado em mim, deu-me a volta, a tudo. Mexeste com o meu sistema nervoso, mexeste comigo e tu sabes tão bem como o fazer. Depois de tanto tempo ainda tens esse dom. É incrível, nunca pensei amar alguém deste jeito, durante todo este tempo. É incrível, e repito todas as vezes que penso em nós, é incrível o tempo que este amor dura. Seja ele bom ou mau, dura e por mais que quero que acabe, ele continua cada vez mais forte. Ai, isso irrita-me! Quero que saias, mas fiques. Quero que me deixes, mas que nunca abras mão de mim. Fica aqui, mas vai-te embora. Entendes?! Vai, mas fica e fica! Não me deixes por um segundo que seja, não tires os olhos de mim, não me largues. Fica aqui. Preciso do teu abraço e do toque da tua pele. Tu acalmavas-me, tinhas esse poder. Volta, mas deixa-me sim? Preciso que me acalmes, preciso que te apoderes de mim e me tragas de volta, sem cicatrizes, sem mazelas. Só eu, está bem? Preciso de mim de volta. E hoje, não sei, hoje apetece-me conversar contigo. E estou tentada a pegar no tlm e falar-te, mas não posso. Algo em mim não permite que o faça, algo em mim não deixa que eu te deixe voltar, porque ainda te amo do mesmo jeito, porque ainda estás em mim da mesma forma... E eu preciso de ir, mas preciso que venhas comigo e que fiques onde estás. Preciso que me deixes, mas que nunca me largues. Oh, se preciso.